quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Dicas práticas
Aproveite ferramentas gratuitas na internet
Existem diferenças substanciais no acesso e no uso de programas, sistemas e ferramentas de informática. Isso também vale para os custos. Alguns são gratuitos; outros, a gratuidade é por um período determinado; e há os que são acessíveis somente após a compra. Segundo sua funcionalidade, é possível usá-los, copiá-los, modificá-los de acordo com as necessidades dos usuários, outros não. Nesta breve e útil reportagem serão definidas as diferenças entre os programas dos chamados shareware, freeware e software livre, bem como cada uma de suas funções.
O autor do aplicativo de informática, isto é, de um determinado software, pode autorizar ou limitar o uso, a modificação e/ou a distribuição de sua obra submetendo o programa a um determinado tipo de licença.
Os três tipos mais conhecidos de software, de acordo com a licença, são:
- Shareware (livre para avaliação)- Software livre - Software Freeware
Definição de cada um deles:
Programas Shareware
O software shareware é livre na distribuição e na cópia, de modo que pode ser usado contando com a permissão do autor:- durante certo período de tempo;- depois de decorrido o tempo, deve-se pagar para continuar usando (os custos são quase sempre muito acessíveis).Isto é, este tipo de software pode ser baixado pela Internet, mas seu uso é limitado.Algumas limitações geralmente definidas pelos sharewares são:- Funcionalidade: possuem menos elementos habilitados em relação à versão paga.- Tempo de uso gratuito: vencido o período determinado, é preciso reinstalá-lo para voltar a utilizá-lo.- Quantidade de vezes que se utiliza: normalmente após 30 dias de uso, o software é bloqueado e, nesse caso, ou o usuário efetua o desbloqueio comprando a versão completa, ou reinstala o software.É geralmente distribuído individualmente pelos autores ou por pequenas empresas que querem apresentar seus produtos. Ex: WinZip, compressor de arquivos.
As funções do programa são especificadas por quem o coloca à disposição do usuário. Alguns sharewares podem ser plenamente utilizados durante certo tempo (geralmente não superior a um mês); outros, são versões limitadas (faltam licenças, atividades são incompletas, opções desabilitadas etc.)
Um exemplo muito claro desse tipo de shareware é o software antivírus, em que as companhias permitem o download de seus produtos apenas para avaliação por um determinado período. Expirado o prazo, o programa é bloqueado e é necessário comprar o produto para que se possa continuar utilizando.
Programas Freeware
É um software gratuito e de livre distribuição. Os aplicativos do programa freeware são adquiridos pela Internet. As funções realizadas são todas aquelas que o programa coloca à disposição do usuário, sem outras limitações como a de não distribuí-lo comercialmente e, em geral, de respeitar o código original sem modificá-lo. O código-fonte (referente à programação) não está disponível. A diferença fundamental com o anterior é que o freeware pode ser utilizado quantas vezes o usuário quiser. Exemplos desses aplicativos são o Acrobat Reader® e o Macromedia Flash Player®.
Software Livre
São programas que colocam o código-fonte (todas as instruções desenhadas pelo programador para que o computador mostre ao usuário aquilo que ele necessita) somente aos usuários cadastrados, que podem deixar seus comentários à disposição do usuário. Liberar o código dá autonomia ao usuário que criou o software porque, a partir do código-fonte, pode-se programar novas funções ou modificar as existentes. Nem sempre os programas desse tipo são gratuitos.
Software Livre se refere à liberdade que os usuários têm para executar, copiar, distribuir, estudar, mudar e melhorar o software. Em outras palavras, refere-se a quatro liberdades:- A liberdade de usar o programa com qualquer propósito (liberdade 0).- A liberdade de estudar o funcionamento do programa, adaptando-o a outras necessidades (liberdade 1). O acesso ao código-fonte é uma condição prévia para que isto seja possível.- A liberdade de distribuir cópias (liberdade 2).- A liberdade de aperfeiçoar o programa e tornar públicos os aperfeiçoamentos dos demais, de modo que a comunidade se beneficie (liberdade 3). O acesso ao código-fonte é também requisito prévio para tal.
A liberdade de utilizar um programa significa permitir que qualquer pessoa ou organização utilize o programa em qualquer tipo de sistema informacional, para qualquer tipo de trabalho, sem ter a obrigação de comunicar àquele que desenvolveu o programa ou a alguma outra entidade específica.
Um exemplo de aplicação de software livre é o Dokeos, um sistema para a gestão de ações de formação pela Internet.
Boas dicas para saber mais sobre software livre são o Gnu, e o verbete na Wikipedia, que tem uma linguagem bastante didática sobre o assunto.
24/04/2008
http://www.educarede.org.br

1 comentários:

 
Créditos Template http://cantinhodoblogger.blogspot.com/ By Cris Duarte/março de 2010